logo

Corrosão, oxidação e ferrugem: como identificar corretamente as etapas de desgaste dos metais.

20 Mai 2021 | 686 Visualizações | Conhecimento | por Diferro

Quando falamos de metais, em específico do aço, logo pensamos o quanto os mesmos são resistentes. No entanto, devido a sua natureza, podemos nos deparar com danos. 

Mas quando nos referimos a estes danos, estamos usando os termos certos? Alguns sites nos trazem corrosão, oxidação e ferrugem como três processos diferentes, mas, segundo autores da área, não é bem assim. Confira, a seguir, como ocorrem os danos.
 

Corrosão, oxidação e ferrugem: como identificar corretamente as etapas de desgaste dos metais.

Corrosão  

Corrosão é a deterioração do metal por ação química ou eletroquímica do meio ao qual está exposto, relacionada ou não a esforços mecânicos. No caso dos materiais metálicos, a corrosão consiste na reação do metal com os elementos do seu meio, na qual o metal é convertido a um estado não metálico (óxido). 

Porém, todo material tende a voltar ao seu estado natural. É neste momento que ocorre a corrosão. Quando em processo de corrosão, o material começa a apresentar pontos, manchas e depósitos sobre a superfície, além da cor alaranjada, de forma uniforme, em placas, em forma de fraturas, de sulcos, entre outros. Mesmo em estruturas pintadas, se houver danos na camada protetora. O problema tende a se espalhar sob a tinta, e o revestimento começa a estufar, trincar e rachar. 

 

Oxidação  

A oxidação é erroneamente classificada como início da corrosão. A oxidação é um dos processos de corrosão, chamada de corrosão química. A mesma ocorre na ausência de líquidos, sendo por isso também chamada de corrosão seca ou oxidação em altas temperaturas. Ocorre na industrialização, quando o metal é trabalhado em temperaturas elevadas. 

 

Ferrugem  

O termo ferrugem tecnicamente não existe. Quando o aço apresenta a coloração alaranjada, o correto é usar o termo corrosão. 

A corrosão traz muitos prejuízos. Ela custa aproximadamente 3,5% do nosso PIB. Podem ser perdas diretas e indiretas, em áreas variadas (reservas minerais, odontologia, monumentos históricos, etc.). Por isso, é importante saber como lidar com a mesma. Para evitá-la, basta evitar ao máximo o contato da peça com elementos de interferência, principalmente umidade, calor e salinidade no ar. 

Se a corrosão já existe, o primeiro passo é removê-la de forma mecânica ou com ajuda de produtos químicos. Após, é necessário proteger a superfície com um revestimento, como tinta ou galvanização a frio, por exemplo, e evitando que o metal tenha contato direto com o oxigênio e água. 

 


 

O ideal é que os materiais recebam tratamentos adequados antes de começar a sofrer com os danos. Além, é claro, de estar sempre atento à manutenção das peças de aço e ferro, para caso surgirem problemas, que eles possam ser solucionados rapidamente. 

A Diferro é referência na distribuição de aços especiais e estamos sempre disponibilizando informações úteis sobre os materiais que produzimos para nossos clientes. Gostou do post? Conheça também outras postagens em nosso blog, clique aqui e confira!

Não foi cadastrado nenhum comentário



Faça um comentário!

RECEBA NOVIDADES
EM SEU EMAIL